domingo, 25 de novembro de 2007

I Can’t Stop Loving You - 7 Parte


Não havia outra escolha, tinha que pagar pelos serviços. Depois de muito choro o Borracheiro Bonachão deu trintão de desconto. Enquanto preenchia o cheque e ele guardava sua relíquia em forma de foto, fomos surpreendidos por uma queda de energia e uma forte pancada na porta de aço da Borracharia. Antes mesmo de tentarmos entender o que estava acontecendo à porta veio abaixo, e três grandalhões com cara de poucos amigos adentraram o recinto. Um deles se manteve imóvel na porta da frente com um trabuco tamanho família apontado para nossoas cabeças, enquanto os outros dois vinham decididos em nossa direção. Imediatamente levantei as mãos para o alto e tremendo feito uma vara verde tentei manter a calma, já o Borracha não pensou da mesma forma e com chave de roda gigante em punho partiu pra cima dos dois aos berros.
-Mas que merda é essa na minha borracharia?!
Ele até que tentou intimá-los, mas não conseguiu muito sucesso em sua empreitada, pois em questão de segundos já estava nocauteado no chão graças a uma saraivada de golpes desferidos pela dupla. Vendo que ambos vinham firmes em minha direção, fiz questão de amenizar ao máximo minha sina balançando a chave de meu carro.
-Tá aqui galera, podem ficar com meu carro, com os trocados que eu tenho na carteira e até com meu cartão de crédito se vocês quiserem!
Eles pareciam surdos, não faziam questão nenhuma de prestar atenção em minhas propostas.
-Tá bom, tá bom! Se quiserem levar esse meu pivô de ouro também não tem problema, é só providenciarmos um alicate, eu sei que vai ser um pouco dolorido mas não tem problema.
Nada. Eles pareciam irredutíveis. Sei lá o que se passava na cabeça daqueles brutamontes. Quando estavam a menos de um metro de mim, resolvi dar minha cartada final em forma de proposta.
-Ok..oK..já sei o que vocês querem, tá legal podem ficar com meu rolex!
E tirei meu bem mais precioso do bolso.
-Tá legal. Foi mal eu não devia ter escondido de vocês. Foi sacanagem de minha parte, eu confesso, mas não dá nada não! Eu sei que vocês são assaltantes civilizados e vão entender minha situação. Me vi completamente acuado e não enxerguei outra saida a não ser.....
É os dois pareciam estar decididos. Quando estavam face a face comigo, o maior deles, um gigantesco amontoado de pele negra e músculos partiu para o ataque.
-Cala a boca Playboy dú caralho!
Só recebi o baque do soco na minha cara. Agora sei a sensação que que o Agente Smith sentiu quando Neo socava-lhe a cara. A dor é a pior possível, senti aos poucos o mundo girar, o teto desintegrar-se antes de apagar de vez.

Continua...

2 comentários:

Chuvinha disse...

As vezes,dirigindo,mesmo num engarrafamento,e melhor nem olhar para os lados...rs

BluesWriter disse...

com certeza...
abraço